Como diferenciar Desvio Fonológico de Desvio Fonético?

Para diferenciar corretamente o Desvio Fonológico do Desvio Fonético é preciso antes entender o que é Fonologia e o que é Fonética.

Fonologia é o estudo sonoro da língua, como o idioma se organiza, a  entonação, acentuação, estrutura silábica, entre outras características. É o conhecimento de que na palavra “pele” a vogal “e” da primeira sílaba é falada de forma aberta como se tivesse um acento agudo e na letra “e” da segunda sílaba isso não acontece mantendo um padrão articulatório mais fechado. É entender que a diferença entre as palavras “Vaca” e “Faca” está apenas no começo da palavra, onde altera-se a letra e o fonema. Além de que na palavra “crocodilo” o grupo consonantal está na primeira sílaba e não na segunda como muitas vezes já ouvimos “cocrodilo”.

A Fonética por sua vez, trata da estrutura física dos sons da fala, como eles são produzidos. Demonstra por exemplo que, para a produção do  fonema /V/ é necessário que o dente superior esteja sobre o lábio inferior, por onde passa uma corrente de ar consciente juntamente a vibração das pregas vocais. E que a diferença entre esse fonema e o FONEMA /F/é que na produção desse último não ocorre a vibração das pregas vocais.

Sendo assim, o Desvio Fonológico caracteriza-se pela presença da capacidade de produzir corretamente os sons da fala, mas mesmo assim continuar apresentando trocas na emissão. Mesmo com a estrutura muscular sem alterações anatómicas de mobilidade, posicionamento Sistema Nervosoou tónus, os erros permanecem. São aqueles indivíduos que conseguem muitas vezes repetir corretamente as palavras com seus respectivos fonemas, mas durante a fala espontânea continuam apresentando dificuldades. É uma desorganização no sistema de sons da criança, não tendo nenhuma relação com comprometimentos orgânicos ou funcionais que afetem a produção da fala. Caracteriza-se pela fala espontânea quase ininteligível, com ausência de alterações de linguagem ou anormalidades anatómicas ou fisiológicas nos mecanismos de produção da fala.

O Desvio Fonético caracteriza-se pela presença de alterações motoras comprometendo a articulação correta dos sons da fala. Ausência dentária, Hipotonia de língua, lábios e bochechas, alterações de mordida, posicionamento inadequado da língua, frénulo lingual Alteração de frênulocurto, entre outros fatores, são exemplos de alterações que podem dificultar ou impedir a produção adequada dos sons da fala

 

 

 

 

 

Um exemplo é o individuo que apresenta frénulo lingual encurtado e não consegue subir a língua para produzir o fonema /r/ de “arara” e distorce o fonema /s/ durante a fala, popularmente conhecido como “língua presa”. Após a correção do frênulo, fortalecimento e posicionamento adequados da língua, a fala é corrigida.

Mas podemos encontrar também o chamado Desvio Fonético-Fonológico, quando o indivíduo apresenta dificuldade em entender a estrutura sonora da fala e juntamente apresenta alterações funcionais que dificultam essa produção.

Exemplo:

Ao invés de falar “CHAFARIZ” o indivíduo pronuncia “FASSARIZ” . Por apresentar hipotonicidade labial e uma mordida Classe II, ele não conseguiu posicionar o lábio a frente em forma de bico para produção do fonema /x/, colocando assim no lugar o fonema /s/ o que caracteriza seu desvio fonético. Mas também observa-se uma troca no posicionamento das sílabas, colocando a sílaba “CHA” no lugar da silaba “FA” e vice versa, o que caracteriza um desvio fonológico por demonstrar uma desorganização dos sons na palavra. Por isso podemos dizer que esse é um caso de Desvio Fonético- Fonológico.

O segredo para um bom diagnóstico dos Desvios na produção de fala é uma boa avaliação fonoaudiológica que contenha uma lista de palavras que possibilite uma observação completa e detalhada da fala do paciente.

Utilize figuras e palavras que contenham todos os fonemas da língua e que os mesmos se apresentem ao início, meio e fim dos vocábulos. Faça gravações com e sem apoio visual e experimente também o uso de neologismos, criando novas palavras para que o paciente tenha maior dificuldade em repeti-las.

CHAFARIZ

Texto produzido por DANIELA BORGES

Inscreva-se já na nossa Pós Graduação e saiba mais…Aproveite a nossa Campanha XXS até dia 30 de Novembro

Mais informações: https://pgpneuroeducacao.wordpress.com/inscricao/

https://ericasitta.wordpress.com/2015/10/25/como-diferenciar-desvio-fonologico-de-desvio-fonetico/

Anúncios