cidade Pordata para crianças

978326

Bem-vindo à “cidade Pordata”. Aqui há jardim, escola, hospital, um avião a rasgar o céu, tribunal, e montanhas ao fundo a marcar o horizonte. Em cima de um edifício azul, uma bandeira esvoaça. Tem inscrita a misteriosa pergunta: “Sabias que?” Tudo isto está à nossa frente, no ecrã do computador. É um jogo novo? Não, é o Pordata Kids. Estatísticas para crianças.

Dos bebés que nascem, quantos têm meios-irmãos? Abaixo de quanto dinheiro por ano se é considerado pobre? Quantos pediatras existem no meu município? E ortopedistas? As pessoas quando viajam marcam tudo ou são mais aventureiras e vão sem nada marcado? As respostas vão estar lá.

E quem afirma que os números mentem está enganado, diz Maria João Valente Rosa, a directora da Pordata — Base de Dados de Portugal Contemporâneo. “Se souber muito de números consigo utilizar o meu argumento e convencê-la, a si, com as minhas estatísticas. Se você não souber do que eu estou a falar, é convencida. Mas não foi o número que mentiu. Fui eu que utilizei indevidamente os números para mentir. Portanto, a melhor forma de não nos deixarmos levar pela cabeça dos outros, ou por aquilo que os outros querem que nós pensemos, é sabermos ler os números e irmos para além dos números.” E quanto mais cedo se começar, diz a demógrafa, melhor.

A Pordata Kids é um site destinado a crianças, essencialmente entre os 8 e os 12 anos. É “um filho da Pordata”, como também lhe chama Maria João Valente Rosa. O mais recente projecto da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) só será apresentado  a 22 de Setembro, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, num evento que marca os cinco anos da Pordata (e onde vai estar Hans Rosling, o professor sueco cujas palestras sobre números são um fenómeno de sucesso).

Mas, numa das salas da fundação, onde se dão os últimos retoques da nova plataforma que há meses vem sendo trabalhada, Maria João Valente Rosa mostrou ao PÚBLICO como funciona a novidade.

Informação, liberdade
Tudo começa, então, na chamada “cidade Pordata” — jardim, escola, hospital, um avião a rasgar o céu…

Cada um dos elementos da cidade são portas para diferentes temas — população, educação, saúde, turismo (para turismo “clica”-se em cima do avião, para saúde, no hospital…) São dez temas ao todo.

Aqui, as habituais expressões usadas na estatística dos crescidos adquirem formas mais simples, à espera de serem compreendidas pelos pequenos. Em vez de se falar de “nados-vivos”, fala-se de bebés. Em vez de se dizer “população activa” fala-se de pessoas que estão empregadas ou estão à procura de emprego. Em vez de se assinalar a “linha de pobreza”, dá-se a indicação do montante de dinheiro a partir do qual se é considerado pobre. Em vez de se calcular o “índice sintético de fecundidade”, calcula-se o número médio de filhos por mulher. E por aí fora.

A professora universitária explica de onde veio a ideia do projecto. “Na escola, as crianças aprendem a ler, a escrever e a contar. E o que sabemos hoje é que as estatísticas são o abecedário do futuro. Quem não estiver na posse desse abecedário fica com muitas limitações em termos da compreensão da sociedade em que vive.”

A FFMS, “nesta sua perspectiva de tentar contribuir para uma sociedade mais informada e, por isso, também mais livre, agarrou, assim, este projecto” que tem “a mesma preocupação com o rigor” da Pordata.

As estatísticas da Pordata Kids são uma selecção das que constam da plataforma-mãe, mas aqui estão trabalhadas para crianças e são apresentadas de forma a estimular-lhes a curiosidade. “Pretendemos aproximar um público mais jovem das estatísticas. Podíamos dizer: mas isso é um assunto para crescidos. Não é. É um assunto para todos. E a nossa convicção é a de que as crianças, com a curiosidade que as caracteriza, vão interessar-se.”

Na Pordata Kids há quadros que comparam diferentes anos, que comparam categorias, que dão dados para Portugal, para a Europa e para o município, há gráficos dinâmicos, que mostram evoluções — quantos bebés nasceram em 2014 com meios-irmãos? 13.555 (16,5% do total). E quantos em 1995? 7389 (menos de 7% do total).

“Não gosto de números”
Depois há a bandeira a esvoaçar em cima do prédio azul, os “Sabias que?” Todos os dias, haverá um novo “sabias que”, diz a directora da Pordata. “Sabias que em Portugal há muito mais raparigas do que rapazes a estudar para médicos? — Elas são cerca de 8000 e eles 4000.”

“Sabias que 65% das casas portuguesas têm Internet — enquanto em alguns países da União Europeia já quase todas têm?”

Maria João Valente Rosa espera que estes “sabias que” sejam tema de conversa nas salas de aula e em algumas casas. “Ó pai, sabias que 20% das pessoas que viajam para o estrangeiro fazem-no sem nada marcado?” É que a Pordata Kids pretende ser também uma ferramenta para as escolas e para as famílias: “Vamos estimular a curiosidade das crianças mas ela tem que ser acompanhada pelos adultos.”

Apesar do sucesso da Pordata (com mais de 25 milhões de visualizações), e de acreditar que esta contribuiu para dar uma visibilidade às estatísticas que elas não tinham, Maria João Valente Rosa está consciente de que não é tarefa fácil. “Às vezes estou à mesa e há alguém que diz ‘ah, eu não gosto de números.’ E ninguém questiona o facto de aquela pessoa fazer aquela afirmação. Mas se alguém dissesse à mesa ‘eu não gosto de letras’ ficaria tudo a olhar. ‘Que horror, mas como é que não gosta de letras?’ Como é números, ninguém liga. E a pessoa até diz aquilo com algum orgulho.”

Um disparate, desabafa. “Um país sem números era um país desregulado, andávamos todos aos encontrões uns com os outros, nem os encontros conseguíamos acertar. Os números estão em todo o lado. Por isso, ‘não gosto de números’ é uma frase completamente disparatada. Outra frase que se diz muito: ‘as pessoas não são números.’ Pois não. As pessoas fazem o números. Como é que eu posso falar de desemprego? Preciso de saber o que está a acontecer no meu país e para saber o que está acontecer no meu país preciso de números. Também posso dizer: ‘acho que estão a aumentar as pessoas gordas’ e você diz que não, que o que está a aumentar são as magras e isto não serve para nada, porque opiniões todos temos e não saímos daqui. Agora, se a obesidade é um problema eu preciso de saber qual é a dimensão do problema e o porquê. E isso são números.”

Os números da Pordata Kids poderão ser consultados no computador, no smartphone e no ipad. A plataforma estará acessível na Pordata, mas também terá um domínio próprio, ohttp://www.pordatakids.pt.

Contra o “jargão que ninguém percebe”
Um dos trunfos da Pordata é que para mostrar estatísticas, sobre os mais variados assuntos, não tem de respeitar o espartilho que está imposto aos organismos oficiais de produção de estatísticas — um certo “jargão que ninguém percebe” e que tantas vezes obedece a regras europeias, diz a directora da Pordata Maria João Valente Rosa.

A professora, que no ano passado integrou o Comité Consultivo Europeu de Estatística, gosta em especial de dar o exemplo do indicador “formação bruta de capital fixo”. O Instituto Nacional de Estatística (INE) tem de utilizar esse nome complicado; a Pordata chama-lhe “investimento”. “É claro que o INE lhe chama formação bruta de capital fixo porque são as regras, porque a Croácia não pode dizer de uma maneira e Portugal de outra e o próprio Eurostat não pode fugir daquilo.” Mas é possível, mesmo a nível europeu tornar as estatísticas mais compreensíveis, acredita Valente Rosa. “Mantenham o jargão”, diz, mas “expliquem ao lado”. É uma das suas batalhas europeias e vai mesmo propor que a Pordata sirva de inspiração.

A Pordata nasceu a 23 de Fevereiro de 2010. Em 2011, recebeu o World Summit Award, atribuído pelas Nações Unidas às aplicações mais inovadoras na promoção da sociedade do conhecimento. Hoje reúne hoje cerca de 2500 quadros estatísticos de 60 fontes oficiais.

FONTE: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/uma-pordata-para-criancas-porque-as-estatisticas-sao-o-abecedario-do-futuro-1707349?page=-1

Anúncios